Monday, May 19, 2014

"Imagina na Copa..." - Chegou a hora do brasileiro parar de ter vergonha do Brasil


by Pedro Tolentino

Chegou, só faltam 23 dias para começar a vigésima Copa do Mundo de futebol, o maior evento esportivo da Terra (alguns dizem que são os jogos olímpicos, mas um evento que tem luta Greco Romana não pode ser o maior evento esportivo da Terra).

Em sua vigésima versão a Copa volta pra casa.  O Brasil, afinal, é o país do futebol.  Único penta-campeão mundial, participou de sete finais (melhor marca empatado com a Alemanha), e teve em campo em 4 Copas o maior jogador de futebol de todos os tempos.  Acredito que ser o país mais vencedor da história no esporte mais popular do mundo vale de alguma coisa.

A Copa do Mundo no Brasil é como José Mayer tentando pegar uma personagem qualquer, no Leblon, numa novela do Manoel Carlos: não tem como não dar certo.

Afinal, o que é dar certo?

Se dar certo é ter 200 obras de infra estrutura prontas 200 dias antes da copa começar; estradas, estádios, aeroportos, 3.000 trilhos de trem de alta velocidade; é não ter mendigo na rua, ter hotel pra todo mundo pra ninguém precisar se hospedar em casas de família, e só pra garantir bombardear as nuvens para que os jogos ocorram sem chuva, então o lugar perfeito pra copa dar certo seria a China.  Claramente infra-estrutura não é tudo quando a FIFA escolhe o país sede.

Nada me irrita mais do que um brasileiro com (CVL) Complexo de Vira-Lata, já sentindo vergonha antecipada ao ver uma fila grande no aeroporto, ou uma sequência de vôos atrasados, não resiste e solta a velha frase:  "imagina na Copa...".

Acredito que mais de 95% dos brasileiros que sofrem de CVL nunca foram a uma Copa do Mundo.  Pois é, eu fui.  Fui na passada, na África do Sul, a primeira Copa realizada em um país em desenvolvimento desde a copa do México em 1986 (na época da copa do México ainda não existia essa história de construir 12 estádios novos "padrão FIFA", a turma jogava nos estádios que tinham mesmo).

Sabe o que aconteceu há quatro anos na África do Sul?  Um caminhão de coisas deu errado!  Metrô não ficou pronto, parte das reformas prometidas em alguns aeroportos também não, teve estádio que só ficou pronto há menos de um mês da copa, vôos atrasaram.  Nos jogos, por recomendação da FIFA, tínhamos que descer do carro / ônibus / van e andar por 3 quilômetros para chegarmos no estádio, no Ellis Park (Johannesburgo) e no Moses Mabhinda (Durban), essa caminhada foi feita por dentro de uma área pra lá de esquisita da cidade (em JoBurg principalmente, onde tal caminhada ocorreu à noite em ruas mal iluminadas).

Sabe quantos torcedores (Brasileiros ou Estrangeiros) eu ouvi reclamando da "bagunça" dos Sul Africanos? Zero.  Sabe quantos eu ouvi afirmando que a África do Sul não devia ter aceitado ser sede do mundial pra não ter "passado vergonha" cometendo as falhas acima descritas? Zero.  Os Sul Africanos estavam mais preocupados em tratar bem os turistas e proporcioná-los uma festa bonita e inesquecível, enquanto que os turistas estavam mais preocupados em aproveitar.  Quem gosta de futebol e atravessa o Atlântico para ver sua seleção jogar tem pouco tempo pra reparar que o vôo para o local da próxima partida atrasou meia hora.  "Garçom, desce mais uma rodada que o avião hoje não está com pressa..."

Vamos imaginar três turistas alemães vindo para a copa no Brasil (o público de turistas de Copa do Mundo é 90% masculino, ainda).  A seleção alemã vai jogar os três primeiros jogos em três capitais do nordeste (Salvador, Fortaleza e depois Recife).  O que eles farão no dia anterior ao jogo:

Opção A:  Ficarão no hotel de mau humor postando em seus Facebooks que pegaram muito trânsito ou que a bagagem demorou, que o Brasil não é muito organizado e sugerindo aos amigos que nunca venham pra cá?

Opção B:  Passarão o dia assando suas costas brancas na praia, tomando caipirinha, comendo acarajé ou cadinho de feijão, tentando sambar (ou frevar) sem sucesso, e se confraternizando com os nativos?

Não estou querendo dizer que os atrasos nas obras não importam. Se houve super-faturamento, isso deve ser apurado.  Muita coisa atrasou mas muita coisa ficou pronta. Os 12 estádios estão aí, muitos financiados com capital privado.  

Pior que preferir não fazer Copa aqui por medo de que seja uma zona é torcer pra que ela seja uma zona por questões políticas.  Não votei na Dilma, mas ela venceu a eleição e é a presidente do Brasil, não vou torcer pra algo dar errado na Copa só porque a presidente não foi a candidata na qual eu votei, assim como não torceria contra a seleção se discordasse da escalação do Felipão.

Brasileiro adora futebol e, melhor ainda, brasileiro adora estrangeiro! Vamos tratar bem os turistas, esses caras voltam pra casa e falam bem do Brasil, convencendo outros a também nos visitar, para pavor dos portadores da CVL, que têm vergonha do país onde vivem e preferem mantê-lo escondido do mundo.


PS:  A expressão "Complexo de vira-lata" não é minha, foi criada pelo dramaturgo e escritor brasileiro Nelson Rodrigues, a qual originalmente se referia ao trauma sofrido pelos brasileiros em 1950, quando a Seleção Brasileira foi derrotada pela Seleção Uruguaia de Futebol na final da Copa do Mundo em pleno Maracanã. O Brasil só teria se recuperado do choque (ao menos no campo futebolístico) em 1958, quando ganhou a Copa do Mundo pela primeira vez.

Para Rodrigues, o fenômeno não se limitava somente ao campo futebolístico. Segundo ele, "por 'complexo de vira-lata' entendo eu a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo".





curta o blog